domingo, 1 de agosto de 2010

Conheça modelos e saiba quanto custa ter uma lareira

Conheça modelos e saiba quanto custa ter uma lareira
SILVANA MARIA ROSSO

Uol-Casa e Imoveis



Lareira criada por Fábio Galeazzo, que recebeu o prêmio Andrew Martin International Design



Há algo mais aconchegante que tomar um gostoso vinho à beira de uma lareira nas noites frias de inverno? Hoje, isso não é tão complicado, pois não é mais necessário quebrar a cabeça para construir uma lareira que não enfumace o ambiente.

O mercado oferece diversas opções que são adquiridas prontas, desde a tradicional pré-moldada em concreto refratário ou em chapa metálica –que podem funcionar com lenha, sistemas de aquecimento a gás ou elétrico, além das salamandras e estufas –que são espécies de aquecedores, ideais para ambientes menores.

As lareiras tradicionais são capazes de aquecer espaços de até 600 m³. Estufas propiciam calor em ambientes que possuam até 320 m³. Por fim, as salamandras, menos potentes, são eficazes quando a área tem até 100 m³. Conheça as opções:

Alvenaria

O kit é feito em concreto ou tijolo refratário (materiais que resistem a altas temperaturas) e está disponível em dois modelos: para parede ou de canto. Segundo Lauro Bruder, da Chama Bruder, a lareira é acoplada a uma chaminé pré-construída e, posteriormente, revestida com o acabamento desejado. Pode ser instalada com a casa pronta ou com uma pequena reforma. Preço: de R$ 590 a R$ 980 (valores não incluem instalação e acabamento).

Aço

O kit é encontrado nas opções de canto, de parede e central, possibilitando projetos modernos e arrojados, com coifa suspensa (que capta a fumaça) e fornalha (onde é apoiada a lenha) separadas. "É ideal para residências já construídas e habitadas, pois não necessita de revestimento e pode ser colocada sobre qualquer tipo de piso ou parede", recomenda Bruder. Mas, conforme o gosto e o projeto arquitetônico, é possível receber acabamento em cobre, madeira, latão, aço carbono com pintura eletrostática colorida, chapa naval e aço cortem. Preço: a partir de R$ 1.750 (valor não inclui instalação e acabamento).


Salamandras e estufas


São encontradas em chapa de aço, cobre e as mais comuns em ferro fundido, revestidas internamente com tijolos refratários, que lembram as de antigamente. Diferentes das lareiras, elas apresentam um compartimento fechado e transmitem o calor por irradiação. Algumas possuem grade de apoio, "que pode ser usada para aquecer um chocolate quente, fazer um chá ou aromatizar o ambiente usando uma essência", destaca Bruder. As salamandras requerem chaminés de saída para a fumaça, que já deve estar construída. Já algumas estufas, não. Ambas são encontradas em modelos para funcionamento a carvão, lenha ou gás. Preço: de R$ 590 a R$ 15.900 (valores não incluem instalação e acabamento).

A gás

O equipamento parece um queimador de forno e pode ser inserido em lareiras de alvenaria ou de metal, sendo alimentado por gás GLP (de cozinha) ou natural (encanado). Bruder afirma que esse sistema não requer chaminé, desde que haja circulação de ar no ambiente. Disponível nos modelos com queimador linear, com pedras de origem vulcânicas ou com lenho refratário (que imita lenha). A primeira opção oferece cortina de fogo com as labaredas. Pode ser feita na medida e formato necessários e colocada em uma estrutura de alvenaria. A segunda imita a queima da madeira e é uma alternativa ao uso da lenha em lareiras pré-existentes. Preço: os kits com tamanhos padronizados custam de R$ 790 a R$ 2.790 (valores não incluem instalação e acabamento).

Elétrica

Modelo se destaca por ser portátil e ecologicamente correto, como afirma Bruder. "Ela não produz gás carbônico e evita o desperdício de energia." Além disso, esse tipo de sistema encaixa-se em qualquer local, seja um móvel de madeira, um nicho em alvenaria ou qualquer outro projeto. Alguns já vêm acoplados a um móvel, dispensando a alvenaria. São encontrados com chama virtual 3D (uma tela reproduz imagens de labaredas), com pedras vulcânicas e lenha natural. Preço: de R$ 1.100 a R$ 6.950 (valores não incluem instalação e acabamento).

ALGUNS MODELOS DE LAREIRA:


O canto de lazer equipado com redes é aquecido pela lareira de duas bocas, construída em tijolos e revestida com a textura de taipa, projetada pela arquiteta de exteriores e paisagista, Adriana Mavignier Madeira


O espaço de convívio, que ocupa a área da antiga piscina, fica mais aconchegante quando as chamas do sistema a gás estão acesas. Na revitalização realizada pela arquiteta de exteriores e paisagista Adriana Mavignier Madeira o ambiente protegido pela pérgola ganhou uma lareira de tijolos, rebocada por cimento comum, revestido de textura da Terracor, no tom terra alaranjado


 O canto para namorar ficou mais romântico com a lareira planejada pela arquiteta Brunete Fraccaroli. A lareira foi esculpida em mármore travertino, executado e fornecido pela Pedra da Esquina. Coifa em vidro e duto em aço inox executados pela Construflama


O acolhimento do lar deveria estar presente no centro do estar sem ocultar a paisagem. O arquiteto Enrico Benedetti escolheu a lareira ecológica com recuperador de calor em ferro fundido e porta de vidro temperado das Chaminés Philippe. A parte frontal é revestida com chapa de aço cortem e as laterais com tijolo acabado com cimento queimado


Diferentes das lareiras, as estufas apresentam um compartimento fechado e transmitem o calor por irradiação. São encontradas em chapa de aço, cobre e as mais comuns em ferro fundido, revestidas internamente com tijolos refratários, lembrando modelos de antigamente. Na foto, estufa da Chamas Bruder


 
Quebrando com o tradicional desenho em ângulo, Fábio Galeazzo idealizou esta lareira ovoide, que acaba de ser brindada em Londres com o prêmio Andrew Martin International Design. Dimensionada para esquentar a sala com 60 m², tem base com caixa de alvenaria de tijolos refratários, onde se acomoda o acendedor a gás. Em volta, o arquiteto aplicou gesso para chegar no formato desejado


 
Retrato do ambiente de lazer atual, este espaço com 30 m² reúne adega, churrasqueira e uma lareira. Repare que a arquiteta Maria Fernanda Rodrigues criou um volume em alvenaria onde acoplou o sistema em tijolo refratário, revestido de canjiquinha de pedra São Tomé


No jardim de inverno da área de lazer, a lareira idealizada pelo designer Fernando Piva é compacta e se acopla à bancada de mármore Brown Cartier, que embute pufes e apoia complementos. Ecologicamente correto, o sistema de aquecimento da Ecofireplaces funciona com bio fluido líquido, que não produz fumaça, resíduos inalantes ou cheiro. A emissão de CO² é baixíssima, menor que o equivalente à nossa respiração


De inspiração africana, o terraço contemporâneo, assinado pelo arquiteto Fábio Galeazzo, tem lareira esculpida em pedra sabão pela Design Pedras Pagliotto, em contraste com as pastilhas ouro da Bisazza. As placas de pedra foram colocadas na base em alvenaria, que forma o nicho que abriga o aquecedor a etanol da Polytec

A sala de lareira não deveria ser carregada, como os ambientes convencionais. Os arquitetos Marcos Contrera e Marcos Biarari mantiveram a linguagem clean do apartamento, optando por revestir a lareira -feita com tijolos refratários e caixa em drywall- com placas de resina da Recesa. O aquecimento é a gás


A estante agrega equipamentos, CDs, monitor em LCD, integrando-se ao sistema da lareira, que já fazia parte do imóvel e recebeu isolante térmico par conservar o calor. Os arquitetos Antonio Ferreira Junior e Mario Celso Bernardes utilizaram como revestimento o linestone Bateig Blue


Construída em alvenaria e revestida de pedra bruta pela Tetrabase Construtora, a lareira transformou a área externa projetada pela MD Arquitetura em um canto aconchegante nas noites de inverno


A lareira em aço inox, executada pela Qualitinox, e revestida em mármore travertino navona, da Marmoraria Alicante, criou o canto entre o living e o home theater, no projeto de Toninho Noronha, que aquece ambos ambientes com lenha comum


Construída para complementar o home theater, planejado por Toninho Noronha, na cobertura do apartamento, a lareira foi executada em vidro temperado pela Vidroart, com grelha e coifa feitos sob medida pela Qualitinox. Dimensionada para lenha comum


Para reunir os hóspedes no charmoso jardim de uma pousada em noites frescas de inverno, a arquiteta de exteriores e paisagista Adriana Mavignier Madeira planejou esta lareira externa, feita em tijolos e rebocada com cimento comum. Como acabamento externo recebeu uma textura especial feita de barro e pigmento laranja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita e pelo seu recado!
Volte sempre!!!

Postar um comentário